Motim

Penso que sigo
Mas finco meu passo
No traço que faço
Em torno de mim

É tenso esse fico
Destroço, cansaço
O compasso me trava
A vida é assim

O imenso boato
Que tudo é concreto
Não conta de fato
Em conter o motim

O denso retrato
Que pinto no alto
Me aponta o trajeto
Que busco enfim

Em verso desfaço
A couraça que enrosca
Do laço me solto
Adeus camarim

O intenso recato
Que sinto inato
Se perde no salto
De um trampolim

O universo abstrato
Agora é meu palco
Lá danço envolto
Por tenro jardim

Pertenço ao espaço
Do canto de um quarto
Pedaço, no entanto
De um mundo sem fim.

Powered by Rock Convert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *