A Carne é Fraca

 Sérgio é o nome desse senhor aí do desenho.

Ele não me disse o sobrenome. Tava com medo dos “donos da boca” verem ele falando com a gente. Ali na cracolândia, no centro de São Paulo, a imprensa não é bem vinda. Mesmo assim deu pra trocar meia dúzia de palavras com o Sérgio. E ganhar o dia. Ele mora faz 30 anos na rua. Nasceu em São Paulo. Tava revirando um lixo quando o carro da Rádio Bandeirantes parou perto dele.

_O senhor já buscou ajuda pra sair da dependência?

_Já. Mas a carne é fraca, cê sabe como é, né?

Sei.

“A carne é fraca”.

Depois disso, perderam a graça todas as teses da prefeitura e da polícia sobre porque tanta gente se envolve com o crack e vive como um zumbi. A prefeitura culpou a polícia, que não combate os traficantes. A polícia culpou a falta de internações compulsórias, que deveriam “ser a regra, não a exceção”.

Mas a carne é fraca, disse o Sérgio.

Parei. Pensei. E concluí estar diante de uma explicação universal.

Somos animais.

Então, o Sérgio me olhou de novo e eu esperei mais uma grande revelação.

_Me dá uma moeda?

Por hoje, já era o suficiente.

(São Paulo, Estação Júlio Prestes, 20/11/2014)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *