A Feijoada Light – Crônica

No cardápio do dia, no buteco da Líbero Badaró, tinha feijoada normal, feijoada light e uma terceira coisa impossível de comer sozinho que eu nem guardei o que era.

Pedi a light.

Além da cumbuca com feijoada, veio uma travessa com arroz, couve, farofa amarela e uma bisteca generosa. E dois potinhos de porcelana branca. Um com vinagrete (96% cebola, 3% pimentão, 1% tomate). Outro com um molho marrom de pimenta que parecia caldo de feijão.

Almocei editando a coletiva do Haddad no celular, como de costume. O outro celular ficou em cima da mesa. Fiquei de olho. O lugar não era tão seguro. Eis que desaparata do meu lado, como mágica, um morador de rua com um saco nas costas. Pediu o que sobrou da comida e antes que eu respondesse avançou sobre a mesa.

Pegou o molho de pimenta que parecia caldo de feijão, ignorou meu aviso e bebeu como se fosse suco de uva. Depois, enfiou o osso da bisteca na boca. E com três colheradas, matou o vinagrete de cebola.

E sumiu.

Tudo durou 30 segundos.

Passado o espanto inicial, lembrei daquele poema do Bandeira:

O Bicho

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *