Realidade Poética

Com meu óculos de realidade virtual vejo sonho e poesia. Vejo automóveis imóveis. O sino longe toca fino. O amor bate na aorta. Pernas de seda ajoelham. As cores nascem e morrem. Carlos Drummond de Andrade.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *